Onde está o Aedes?

nível de
atenção

Ações da Prefeitura

CEIC - Monitoramento Inteligente

Com o Monitoramento Inteligente da Dengue a partir do Centro Integrado de Comando da Cidade de Porto Alegre (Ceic), será possível uma atuação conjunta dos serviços municipais nas ações de combate ao vírus. Com o acompanhamento diário das coletas das armadilhas, é possível desenhar estratégias de ação. O principal trabalho do Ceic será quando o monitoramento apontar a presença de pessoas ou mosquitos infectados com o vírus. Logo que os casos forem comunicados, o centro aciona os órgãos municipais para as ações de controle e bloqueio, priorizando a área afetada. E, com a atualização semanal da infestação do Aedes aegypti na cidade, será possível a avaliação do trabalho executado e ajustes para melhores resultados. Acesse o site.


CEIC - Alertas biológicos

Reconhecido como central de inteligência da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, uma das funções do Ceic é disparar alertas para a população sobre situações críticas na cidade. Para isso, conta com a parceria da imprensa, que trabalha a partir da Sala de Transparência do centro. Com o acompanhamento da dengue, serão disparados alertas quando forem notificados casos de pessoas e mosquitos contaminados. O objetivo dos alertas é estimular a população a seguir as orientações de prevenção e cumprir o check list, contribuindo assim para eliminar os criadouros de mosquito nas regiões de circulação do vírus e auxiliar o combate ao vírus.


Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (CGVS/SMS): 


- Acompanhamento e monitoramento, pelo MI Dengue e LIRAa.


- Sistema Dengue Report
O Sistema Dengue Report se constitui em um aplicativo para telefone celular, que os Agentes de Combate a Endemias utilizam para registro dos dados das visitas domiciliares. Na primeira visita o imóvel é cadastrado, com o uso de uma etiqueta adesiva. O agente registra as informações cadastrais do imóvel (logradouro, número, quarteirão, lado, etc.), os dados da visita domiciliar e os cuidados de prevenção à dengue (número e tipo de criadouros encontrados, ações de remoção e/ou controle mecânico realizado, coletas, etc.).
Nas visitas seguintes, o agente tira uma fotografia do código da etiqueta (tecnologia QR Code), recuperando os dados de cadastro do imóvel e realiza a visita domiciliar, inserindo apenas os dados referentes à atividade executada na data. A ferramenta, utilizada pelos agentes de combate a endemias, substituiu o registro de dados das cerca de 15 mil visitas semanais domiciliares, que era feito em papel.
Além da economia do uso e armazenamento físico desses documentos, houve uma otimização do trabalho decorrente do processamento desses dados, que são agora acompanhados em relatórios gerados diretamente no computador.
A utilização do sistema Dengue Report nas ações do Controle Operacional da Dengue premiou a prefeitura com o Prêmio Green It 2013. Desde 2008 a organização InfoWorld, especializada em Tecnologia da Informação (TI), promove essa premiação. São reconhecidas 15 iniciativas mais inovadoras em TI que se enquadram nesse conceito de sustentabilidade, incluindo instituições dos mais diversos portes e atividades.

- Atuação em casos de dengue
Com a tecnologia MI Dengue, a Prefeitura monitora a quantidade de mosquitos da dengue nos bairros de maior vulnerabilidade para transmissão da doença. Esse monitoramento permite que a CGVS planeje as ações de controle do mosquito, priorizando as áreas mais infestadas pelo Aedes aegypti. Nas situações de caso confirmado de dengue ou quando for detectado o vírus da dengue nos mosquitos capturados pelas armadilhas, procede-se à aplicação de inseticida (controle químico ou bloqueio de transmissão) para eliminar a forma adulta do mosquito.

- Controle químico (bloqueio de transmissão)
O controle químico de mosquitos adultos com inseticida tem como pressuposto técnico a sua vinculação com o bloqueio da transmissão viral. Ou seja, não é possível solicitar aplicação de inseticidas, pois estas somente são realizadas nas situações descritas pelo Ministério da Saúde, em situações de transmissão da doença.
Em Porto Alegre, a metodologia adotada inclui o georreferenciamento e a análise dos casos no ambiente do software Google Maps. O objetivo é identificar as áreas de possível transmissão viral, sua distribuição temporal e espacial, e realizar o controle dos mosquitos infectados, em tempo hábil. As ações são demarcadas e registradas em mapas.
A aplicação do inseticida Deltametrina, que é fornecido pelo Ministério da Saúde, é realizada com pulverizador costal em ultra-baixo volume (UBV) no peridomicílio (área externa dos imóveis) em um raio de 150 metros do entorno dos endereços dos pacientes. Em caso de transmissão mais intensa, adota-se a operação de emergência, a partir da via pública, em um raio de 500 metros dos casos iniciais, aliando a isto a estratégia do bloqueio rápido de transmissão, para os casos suspeitos de dengue, com a residência ou outra atividade (estudo ou trabalho) que se localizam a menos de um quilômetro de casos confirmados de dengue. Esse bloqueio é realizado com a aplicação de inseticida no peridomicílio, em um raio de 50 metros do caso notificado.

Capacitações
A Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde, por meio das Equipes de Vigilância de Roedores e Vetores (EVRV) e das Doenças Transmissíveis (EVDT) realiza programas de capacitação e atualização para profissionais da rede de saúde e pessoas interessadas na prevenção à dengue. Acesse nessa seção algumas das apresentações dos programas.

Dengue em 15 minutos - Capacitação em Serviço 

Controle Vetorial da dengue em Porto Alegre

Vigilância Epidemiológica da Dengue, Chikungunya e Zika

Aedes: criadouros e soluções

Visitas domiciliares 
A visita domiciliar é uma atividade de rotina da Prefeitura para as ações de prevenção ao mosquito da dengue, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde. Nessa ação, o objetivo é verificar a presença de criadouros e orientar os moradores sobre os cuidados que deve ser adotados para a prevenção da dengue. 

A orientação deve abordar:
 * importância da eliminação de depósitos, 
 * adoção de medidas preventivas, 
 * identificação de foco e tratamento (biológico, químico, mecânico etc.), quando necessário. 

O Agente de Combate a Endemias que realiza as visitas domiciliares deve mostrar o crachá de identificação ao se apresentar, informando sobre o motivo da visita. Na ocasião, o agente vai:
* solicitar ao responsável que o acompanhe na busca de criadouros do mosquito, perguntando se percebeu a existência de larvas ou mosquitos na casa. 
* informar sobre os sinais e sintomas da dengue, atualizando sobre a situação epidemiológica da cidade ou do bairro. 
* com o responsável pelo imóvel, o agente vai realizar as medidas de controle mecânico preconizadas. 

DMLU - Resíduos e focos de lixo

As ações e serviços do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) também ajudam no combate ao mosquito da dengue, por meio do recolhimento de resíduos e da limpeza de focos de lixo. Durante os meses de proliferação dos mosquitos, o DMLU também dá atenção especial às denúncias de focos em terrenos baldios, intensificando a fiscalização e realizando a limpeza após expirar o prazo legal dado aos proprietários dos imóveis para que providenciem a remoção dos resíduos. Acesse o site do Departamento para mais informações sobre os serviços prestados. Endereço: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/dmlu/ ou clique aqui.